Projeto Without Fat

Em 25.07.2016   Arquivado em Without Fat

Eu relutei bastante para escrever esses post e fazer todo esse alarde que farei agora. Mas tô aqui!

Desde o começo do ano eu estou tentando levar uma vida mais saudável. Não vou mentir, o principal objetivo sempre foi emagrecer. Não tô querendo dizer que todo mundo deve fazer o mesmo que eu e/ou que para se sentir bonita(o) você deve ser magra(o), ok? Mas é o que eu quis para mim.

Sempre tive tendência a engordar. Fui gordinha por toda a infância e adolescência, emagreci pra valer quando tinha 19 anos, mas acabei recuperando o peso lentamente nesses anos seguintes.
Recomecei esse processo como uma resolução de ano novo que tinha que funcionar. Porque já são alguns anos novos com a mesma promessa que nunca era cumprida.

Desde 05/01/2016 eu estou na tão famosa reeducação alimentar, que me fez perder 14 kg nesses últimos 6 meses e meio – menos até, já que nos últimos 2 meses eu praticamente só mantive a balança estável, especialmente por ter me permitido fins de semana com a alimentação mais livre.

Estou recomeçando a minha alimentação saudável em tempo integral e agora também me matriculei (enfim) na academia. Ainda faltam pelo menos 10 quilos pra subtrair na balança e já estava mais do que na hora de compartilhar aqui no blog, que é um verdadeiro diário para mim.

Estou superando minha vergonha dos números e criei até uma conta nova no instagram, dedicada a essa grande mudança que estou buscando em minha vida. Quem quiser acompanhar é só seguir @cami_withoutfat e acompanhar as postagens aqui no blog, pela categoria “Without Fat” (que ganhou até um subdomínio dedicado: whitoutfat.subexplicado.com).

Criei esse projeto (com um nome bem ambicioso – “without fat” em tradução livre significa “sem gordura”, que é como eu quero estar daqui alguns meses haha) para me motivar e motivar quem mais quiser entrar nessa luta comigo! O post de hoje é só para apresentar essa proposta para vocês, mas pretendo estabelecer alguma frequência de postagens sobre esse assunto!

Estou animada com essa nova eu e espero muito que se animem comigo. Não precisa ser por emagrecimento ou vaidade, nunca é cedo ou tarde demais para ser saudável!

(O dia em que eu não subi a) Pedra do Baú – São Bento do Sapucaí – SP

Em 08.07.2016   Arquivado em Blog, Lugares

Eu até poderia ter intitulado esse post com o nome da pedra que eu de fato subi (a Ana Chata), mas isso não seria honesto. Afinal, eu fui até São Bento do Sapucaí para subir a Pedra do Baú e eu falhei. Não me orgulho disso, mas desisti faltando pouco. Já faz tempo que deveria ter escrito esse relato, pro registro ser fiel aos sentimentos. Mas antes tarde do que nunca (sempre será meu lema!).

Preciso avisar: senta que lá vem história! O post tá imenso, mas eu não poderia deixar nada de fora. Além de querer deixar registrado tudo isso, acho que é muito válido como informação para quem planeja fazer essa atividade.

Além de ter textão, esse post não terá muitas fotos. Eu até tirei, mas não ficaram boas. :(

Informação Técnica: fizemos o percurso da Face Sul. Há dois lados para subir (e descer): a Face Sul e a Face Norte. O panfleto orienta a subida por um lado e a descida por outro. Há relatos de que a Face Sul tenha uma dificuldade menor com relação à Face Norte.

Já tinha muito tempo que eu queria conhecer a Pedra do Baú. Eu nem fazia ideia de como era, mas queria ir. Então, no começo do ano eu comecei a agitar uma amiga minha que adora trilhas, para irmos juntas. Desde que comecei a pesquisar e vi o que realmente enfrentaríamos, eu adorava deixar claro que estava proibido para qualquer pessoa envolvida na atividade desistir. Explico: a subida é quase uma escalada. Tem umas escadas de ferro chumbadas nas pedras e você é sempre orientado, pelos meios oficiais, a usar equipamento de proteção – cadeirinha para escalada e mosquetões.

Só que eu sou A corajosa. A fodástica. A incrívelmente habilidosa. Então, óbvio que eu também achei desnecessário usar a bendita cadeirinha. Um monte de gente sobe sem, porque é que EU precisaria?

Então fomos. O plano era sairmos bem cedo daqui de São José dos Campos, chegarmos até umas 8 AM lá onde inicia a trilha (começa por uma trilha), subirmos, descermos e almoçarmos no restaurante que tem lá embaixo. Nada disso aconteceu.

Essa minha amiga, junto com um amigo dela – que já virou nosso amigo também! – vieram de Ilhabela no dia anterior da subida. Chegaram aqui bem tarde e ainda saímos para comer. Comemos, conversamos, ficamos matando as saudades… Fomos dormir lá pelas 4 da manhã! Claro que não conseguimos sair daqui cedo como planejamos. Saímos bem mais tarde, lá pelas 10 da manhã. E é bem mais longe do que imaginávamos. Dá umas boas duas horas saindo daqui de São José (e eu jurava que era a mesma distância que até Campos do Jordão, que leva no máximo uma hora). Juro que comecei até a me desesperar. É quase em Minas – na verdade em um pedaço do caminho chegamos a sair de SP e entrar em MG, para então voltarmos à SP – sim, é confuso.

Comemos umas besteiras de café da manhã e levamos mochilas pequenas com barrinhas de cereal, um pouco de água (duas garrafinhas de 500 ml para os quatro! Não queríamos carregar peso “desnecessário”) e umas mexericas (pois é! haha). A sinalização por lá é bem confusa. Chegamos tarde, não paramos no restaurante onde eu queria parar, mas sim no estacionamento da trilha oficial, onde é tudo também confuso, pegamos trilha errada, nos estressamos… Enfim, tava tudo errado! Começamos a trilha e acho que já passava das 13h.

Lá fomos nós. A trilha leva a três destinos: à Pedra do Bauzinho, Pedra do Baú e Ana Chata. Cada uma tem um nível de dificuldade. O bauzinho é o mais leve, com meia hora de trilha, sem via ferrata (as escadas de ferro presas às pedras) e é indicada para todos os públicos. Já a Pedra do Baú e Ana Chata tem um nível de dificuldade maior e as tão esperadas (até então!) escadinhas.

Nem cogitamos a visita ao bauzinho, pois já estava tarde. Fomos direto pela trilha que levava ao Baú. E fomos… fomos… fomos… A trilha é longa. Quando o panfleto informou entre três e quatro horas entre ida e volta, eu já calculei que levaríamos a metade do tempo (A diferentona, lembram né). Mas não. A estimativa é realista. Agora, imagina isso sem ter comido ou dormido direito. Então. Foi pior.

Não quero desanimar ninguém. Muito pelo contrário! Só que é válido deixar a minha impressão de que todos os lugares onde pesquisei não foram claros quanto ao nível de habilidade que a trilha realmente demanda. Você não precisa ser um atleta e nem uma pessoa expert em trilhas. O caminho é bem tranquilo e não tem que desbravar nenhuma mata – isso já está pronto. Mas tem muita subida e é uma trilha longa, então o seu condicionamento físico tem que estar em dia, você deve estar bem disposto e levar pelo menos água o suficiente.

Os nossos amigos de Ilhabela são “trilheiros” e atléticos, o Arthur e eu não somos! (haha) Mas a maior dificuldade foi mesmo a escassez de água. Racionamos o único litro que levamos e não foi fácil – especialmente na volta!

Mas ok. Ainda falarei um pouco mais sobre isso daqui a pouco. Vamos à realidade cruel e motivo da inconclusão da missão.

Fizemos a trilha. A fome e a a sede ainda estavam sob controle. Enfim chegamos ao pé da subida. Faltava pouco para alcançarmos o topo da Pedra do Baú!!! As tão aguardadas (repito: até então) escadinhas tinham começado. Que alegria! Que satisfação!
Começamos a subir.

Os ferrinhos são realmente muito bem presos às pedras. Parece que nasceram ali! Não resta nenhuma dúvida de que permanecerão firmes e fortes. Então as primeiras escadinhas foram até fortalecedoras da confiança. Até que chegamos a uma escada bem alta e essa era a 90°, diferente das que já tínhamos subido, que eram bem mais inclinadas e curtas. Lá embaixo dessa escada minha amiga já começou a falar que não subiria. Eu fui taxativa: VAI SUBIR SIM! E ela subiu, reclamou um pouco, mas foi até lá em cima e ficou tudo bem. Então eu fui subir, e o Arthur logo atrás.

Subi uns 10 degraus, olhei pra baixo e vi que estava bem alto. Realmente alto. Além do pequeno pedaço de terra, de onde partimos, tinham muitos mais metros de puro e simples abismo. Preciso ressaltar que eu nunca tive problemas com altura. Em incontáveis situações eu fui a única pessoa em um grupo que estava confortável com alguma situação de risco de queda de uma grande altura.

Essa é a escada que me fez desistir. Pessoalmente é muito mais assustadora, eu juro! (a foto tá péssima, mas eu tinha que mostrar essa bendita escada, né?)

Eu costumo ser sempre a mais radicalzona. Lembram que eu falei que sou A destruidora? Então. Tudo isso caiu por terra naquele momento. E o meu medo era de que EU caísse também. Eu não estava nem na metade dessa escada e eu já tinha tomado a decisão. Eu não ia continuar. O Arthur estava logo abaixo de mim. Ele sim tem medo assumido de altura. Ele que nunca vai comigo aos brinquedos dos parques de diversão. Falei pra ele que não ia continuar. Nossos amigos já tinham terminado a subida dessa escada. Ele falou: termina de subir essa, vai dar tudo certo!

Eu estava com vertigem (e isso era novo!) e estava gelada de tanto medo. Cada degrau que subi foi lento, cheio de cuidado e pavor. Se eu errasse, cairia.

Lembram da cadeirinha de proteção? Era tudo o que eu mais queria naquele momento.

Terminamos de subir a escada e encontramos duas moças que haviam desistido naquele mesmo ponto. E elas estavam com as benditas cadeirinhas, mosquetões e capacete. Tudo certinho. Estavam esperando os maridos, que continuaram o percurso. E avisaram que tinham mais três escadas: uma logo na nossa frente, uma próxima que era bem assustadora (mais ainda do que a que havíamos acabado de subir) e a última, que concluiria a subida.

Foram os momentos de maior angústia, juro. Eu estava ali, pronta pra desistir. Aí soube que faltava tão pouco, mas ao mesmo tempo ainda teria um desafio maior do que o que acabara de enfrentar. Não foi fácil. O grupo todo estava dividido. O Arthur queria descer, com razão. Eu também queria descer, mas ao mesmo tempo eu queria chegar ao fim. A Letícia, minha amiga, queria continuar, apesar do medo. O Waguinho – nosso novo amigo – declarou que o que a gente decidisse ele acompanharia – e ele era o único claramente confortável naquela situação.

Como já contei lá no começo, desistimos. Acho que o meu maior remorso é que a Letícia e o Waguinho com certeza teriam terminado se não tivéssemos desistido. Mas eles quiseram nos acompanhar.

A descida por essa escada monstruosa foi ainda pior. Logo no topo ela tem uma passagem entre a escada de 90° e uma outra inclinada, que é a pior parte! Eu realmente achei que fosse morrer. Eu estava MESMO em pânico!
Mas descemos.

Lá no pé da subida, onde eu estava pronta para voltar, sem nenhuma história feliz para contar, a Letícia e o Waguinho falaram que continuariam a trilha até a Ana Chata. Então lá fomos nós! Preciso realmente deixar a minha gratidão registrada aqui. Eu estava pronta para voltar, com o rabinho entre as pernas, com apenas frustração dentro de mim. Mas graças aos nossos amigos nós ainda conseguimos subir em alguma pedra! haha

A trilha até a Ana Chata é mais ou menos mais um terço da trilha até o Baú. Nesse momento a fome e a sede já estavam bem mais acentuadas, assim como o cansaço. Mas prosseguimos.

Essa trilha ainda tem um pouco de via ferrata, mas nada tão dramático, foi muito divertido, isso sim. Passamos por dentro de uma caverna, nos escoramos em um pára peito, também de ferro.. E foi tudo emocionante na medida certa! Chegamos à Ana Chata, apreciamos a vista maravilhosa – tiramos fotos, claro! – e então descemos quando o sol já estava começando a baixar. Que lugar maravilhoso!

Esses somos nós muito felizes, depois de conseguir subir em alguma pedra! haha

A volta toda foi realmente tortuosa. Levamos umas duas horas para voltar, a sede e a fome foram absurdas e junto com elas a exaustão, claro. Teve muita subida, algumas extremamente íngremes. Em vários momentos encontramos pessoas tão ou mais abaladas do que nós, tanto na subida à pedra quanto na trilha. Na volta encontramos uma família que estava ainda menos preparados do que nós estávamos. A adolescente que estava com eles chegou a ter uma crise de choro de tão exausta – e ainda estavam na metade do caminho. Juro que não foi frescura. A trilha é bem longa e é preciso estar preparado para isso.

Terminamos já no crepúsculo, passava das 17h. Eu estava com tanta fome e sede! Lá no estacionamento tem uma lanchonete (importante ressaltar que não aceitam cartão!!!) e eu bebi duas garrafinhas de água e ainda um caldo de cana de 500 ml! Deixamos para comer na cidade, mas era um horário terrível, não tinha nada aberto! Rodamos muito até encontrarmos um restaurante – que eu não faço ideia de qual era o nome – onde comemos as melhores pizza e batata frita que já comi na vida – sério, eu acho que nunca senti tanta fome!

Voltamos pra casa cansados mas muito felizes apesar de tudo. Com a promessa de voltarmos com a bendita cadeirinha – e mais condicionamento físico, por favor! – e subirmos a Pedra do Baú!

Instamonth – Março 2016

Em 06.04.2016   Arquivado em Instamonth

Dá pra acreditar em como o ano está passando rápido? O outono já começou e estamos em abril! Parece que quanto mais envelhecemos mais o tempo começa a correr, o que é muito injusto, já que quando somos crianças queremos logo ser adultos (o desejo mais errado de todos!) e quando crescemos não queremos mais envelhecer. Detesto essas ironias da vida.

Março não foi um mês muito movimentado para mim, virtualmente falando, mas comparado a Fevereiro foi bem melhor, né?

Como sempre o mês começou com planner lá no Coisas de Blogueiras – e estava lindo! – mas como “sempre” não é o mesmo que “para sempre”, não teve planner para Abril e provavelmente não terão os próximos. Como já coloquei todos os planners de 2016 aqui no blog em dezembro, não sei se vocês gostariam de ter outras opções mensais, para variar um pouco a identidade visual. Me falem nos comentários que eu posso continuar postando por aqui, se vocês quiserem.

Fiz uma comprinha de maquiagem em uma loja que adoro, a Quem disse, Berenice?. Mostrei tudo para vocês no que foi o primeiro post sobre beleza/maquiagem aqui do blog. Me falem se quiserem ler mais sobre esse assunto. Eu adoro falar! hauahua

E por falar em beleza, eu já tinha comentado algumas vezes no snapchat (adiciona lá: cahmart) que comecei a assumir meu cabelo cacheado, mas nunca falei aqui no blog. Pois é, estou na tão famigerada transição capilar e posso repetir o que todo mundo já fala: não é fácil e dá vontade de desistir todos os dias! Como estou resistindo fortemente à desistência (já são mais de 6 meses na luta) e pretendo assumir de vez os cachos (espero conseguir!), comprei uns produtinhos específicos que eu sempre vi bastante gente elogiando, a linha Divine Curls (da Inoar) e o Milagre (da Lola). Até agora eu estou gostando bastante e eles tem facilitado minha vida. Posso ser repetitiva e pedir para vocês me falarem se quiserem “ouvir” falar sobre esse assunto aqui no blog? :D

Já teve Páscoa (não tô falando que o ano tá acelerado demais?) e eu aproveitei pra fazer uma coisa que não fazia faz um tempão: ovo de páscoa. Na minha infância eu sempre ganhava ovos feitos pela minha mãe – que era exagerada e fazia um ovo de 3 kg para cada filho! – e depois que cresci me arrisquei na fabricação dos ovos que eu ia presentear. Mas fazia tempo que eu não me aventurava e foi gostoso (literalmente!) voltar a fazer. Fiz o ovo do Arthur com recheio trufado e tudo. E preciso dizer que ficou delicioso! Só não ficou tão bonito para valer uma foto, então eu fiz foto só do detalhe da cesta de páscoa que dei pra ele.

E a melhor parte do mês foi ganhar a minha tão sonhada/aguardada/desejada/amada pulseira Life by Vivara. Sempre quis essa lindeza (tá até na minha wishlist do projeto 101 em 1001) e agora já posso sair chacoalhando a minha por aí. Além dela, o Arthur também me deu (separadamente, pra valer como 2 presentes, porque ele não é bobo! hahuahau) o berloque Aparelhos de Mergulho, que é tão lindo! Vem com duas nadadeiras e máscara com snorkel, extremamente lindo e cheio de detalhes. Fiz uma wishlist de berloques que tô desejando aqui pro blog, então quem quiser me presentear, fique a vontade! Inclusive, meu aniversário é 2 de maio e tá chegando. :P
Se alguém também tiver essa pulseira, me conta quais os berloques já colocou nela e se tiver post no blog ou vídeo, me manda o link também. To viciada em futricar na pulseira da vida das pessoas! hauaauha

Já falei que adoro fazer esse post? Eu adoro! Quero agradecer todo mundo que sempre lê meus instamonths – e também todos os outros posts – e conversam comigo pelos comentários. Acho que vocês já perceberam que o blog anda mais parado do que de costume, mas se ele ainda está aqui é por causa de cada um de vocês! ❤

Já me segue no instagram? Se ainda não, estou te esperando por lá! @cami_mrtns :D

Um beijo enorme!!! ❤ ❤ ❤

Minha Pulseira Life by Vivara – Wishlist de Berloques

Em 25.03.2016   Arquivado em Compras, Wishlist

Ontem, inesperadamente, o Arthur me presenteou com uma coisa que eu já queria faz tempo: a minha pulseira Life by Vivara! *____* Obrigada, amor! :D

Fiquei tããão feliz!

A minha ainda está vazia, sem nenhum berloque – praticamente uma tela em branco. Eu não quis escolher meu primeiro berloquezinho com pressa e preferi olhar tudo no site, antes, já que não dá pra sair comprando vários de uma vez e é difícil escolher só um. Acabei querendo todos, de qualquer forma. Mas consegui escolher os meus preferidos para esse momento da minha vida. Fiz uma wishlist pra compartilhar com vocês! :D

Wishlist – Berloques Life by Vivara

01. Pingente Tartaruga (R$180,00)

02. Pingente Máquina Fotográfica (R$110,00)

03. Pingente Filtro dos Sonhos Prata e Turquesa (Indisponível no momento)

04. Pingente Avião (R$120,00)

05. Pingente Aparelhos de Mergulho(R$180,00)Foi o primeiro berloque que ganhei! :D

06. Pingente Prata e Ágata Verde Signo de Touro (R$190,00)

07. Pingente Patinha Prata Esmaltada e Topázio (Indisponível no momento)

08. Pingente Prata Coração Princess Rubi (R$190,00)

09. Pingente Olho Grego Prata e Topázio (R$200,00)

10. Pingente Paz & Amor (R$270,00)

11. Pingente Peixe Listrado com Topázio (R$200,00)

Viram porque não dá pra comprar tudo de uma vez, né? Não são as coisas mais baratas da mundo. Mas todos os pingentes são em prata, alguns vem com detalhe em ouro ou em pedras preciosas. E também tem os todo de ouro, mas nem me aventurei a desejar nenhum deles por enquanto.

Esses são os berloques que eu compraria hoje. Mas é claro que como eu não vou comprar tudo de uma vez, talvez a seleção mude. Com certeza vou querer um da Torre Eiffel quando eu conhecer a França, pra carregar a lembraça sempre comigo. E tem tantas opções! Dá para comemorar cada vitória da vida com um berloque que a represente e dessa forma a gente vai montando a pulseira com a nossa vida.

Esse modelo custa R$240,00 e é todo em prata. Não é uma pulseira barata, mas se cuidar direitinho vai durar a vida toda.
Também tem o modelo em couro (R$ 150,00) que dá para escolher entre várias cores e o modelo em prata com fecho peixe (R$190,00). Se você for uma pessoa ryca, pode escolher o modelo em ouro (R$6150,00) que é feito sob encomenda. São vários tamanhos, então você com certeza vai encontrar o seu. Eu escolhi o tamanho 20, que ficou mais larguinho (pra encher de berloques! haha). Acabei mudando de ideia e estava achando o 20 grande demais. Medi meu punho e ele está com 16.5 cm, então troquei pelo tamanho 19. :)

Vocês já conheciam essa linha? Já tem ou desejam essa pulseira? Me contem nos comentários! :D

Comprinhas na Quem disse, Berenice?

Em 23.03.2016   Arquivado em Beleza, Compras

Mês passado fiz umas comprinhas pela loja virtual e também na loja física da Quem disse, Berenice? Hoje vim mostrar para vocês as coisinhas que comprei e falar um pouquinho sobre o que achei delas.

Estava querendo e precisando dessas coisas já tem um tempinho, inclusive tem 3 items da minha whishlist de natal nesse post.
Tem perfume, demaquilante, corretivo, máscara, curvex, batom e bb cream. É coisa pra todo gosto! haha

É ssó clicar no título do produto para ser redirecionado para a página dele na loja virtual. :)

Pra Onde Levam Esses Olhos Castanhos?

Vamos começar pelo perfume?
Ano retrasado eu comprei essa mesma fragrância para dar de presente de aniversário para a minha prima, porque me apaixonei por ela assim que senti o cheirinho. Na época comprei na The Beauty Box e experimentei todas as outras fragrâncias da marca. Essa com certeza é a minha preferida. É um perfume fresco, oriental e doce ser ser enjoativo. Não entendo muito de perfume para “explicá-lo” para vocês, então recorri à descrição da marca:

“Caminhando entre arranha-céus de uma grande metrópole, olhando para o céu e sentindo o perfume de bergamota italiana, com jasmim e pêssego e o amadeirado do sândalo.”

Continuo apaixonada pelo cheirinho e tenho usado muito. O único problema é a fixação. Ele dura umas duas horas na minha pele. Na terceira vai perdendo a força e na quarta já desapareceu. Estou querendo comprar a versão de 10 ml dele para deixar na bolsa para os dias que eu for ficar o dia todo fora e quiser usá-lo.

A embalagem é linda, com essa tampa em formato de coração e vem bastante perfume: 75 ml. Custa R$83,90.

Demaquilante Aquoso

Esse demaquilante estava na minha Wishlist de Natal e eu o queria por ser suave – já que é aquoso – para retirar a maquiagem do dia a dia, pois não uso nenhum produto a prova d’água. Ele acabou perdendo uns pontinhos comigo, pois desde então eu fui apresentada à Água Micelar, que é bem mais leve (se vocês quiserem posso falar sobre a que eu estou usando em outro post). Então acabei achando ele um pouco forte.

Sei que não é o tipo de demaquilante indicado para a área dos olhos, mas como eu não uso máscara à prova d’água eu retiro com demaquilante aquoso mesmo. Esse ardeu meus olhos e por isso eu não gostei muito – mas repito que de qualquer forma ele não é indicado para a área dos olhos.

Em nenhum lugar vem a informação do volume do frasco, mas parece ser 200 ml. Custa R$ 29,90.

Máscara para cílios Escândalo – Alongamento

Mais um dos meus desejos de natal, essa máscara simplesmente virou a minha preferida da vida inteira!!!
Pra começar, ela tem essa embalagem linda e diva, azul turquesa, toda moderna e divertida. E é enorme! Mas quantidade de produto (10g) é a mesma que vem no Colossal, da Maybelline, por exemplo.

O pincel tem esse formato cônico que eu já amei – é o primeiro que tenho com esse formato, as minhas máscaras de alongar cílios sempre vieram com o pincel bem fininho. Os meus cílios não são pequenos, mas eles ficam realmente enormes com essa máscara! E ela também dá volume. Deixa super lindo.

Eu não sou nenhuma maluca dos cílios que fica passando mil e duas camadas de máscara, cada uma de um tipo. Eu nem consigo, sempre que tentei a única coisa que consegui foi deixar tudo empelotado. Mas essa máscara faz parecer que passei horas arrumando os cílios, em uma camada só. Não vou mais viver sem!

Comprei a versão que não é a prova d’água e só me deixou ainda mais apaixonada. Ela sai com muita facilidade, mas não borra nem um pouco ao longo do dia. Em comparação com a Colossal Super Film – que é a versão que sai com água morna – ela é muito melhor, já que no calor a minha Super Film sempre borra.

Vem com 10g e custa R$ 31,90.

Corretivo de Alta Cobertura

Eu não sou nenhuma especialista em corretivo. Aprendi a usá-lo a pouco tempo e não testei vários. Esse é o segundo que testo desde que comecei a usar todos os dias (o outro foi esse da Natura Aquarela).

Eu gostei bastante do resultado. Achei bem mais sequinho do que o da Natura, com a cobertura maior e ele não marca as linhas de expressão abaixo dos olhos, enquanto o da Natura marca. A minha cor é a 01 e ficou certinha para o meu tom de pele. Como é a cor mais clara eu imagino que não vá funcionar para quem tem a pele mais clara do que a minha, o que é péssimo, né? Tirando esse problema com as cores, eu gostei muito. Não sei se comprarei de novo pois quero testar outras marcas também.

A embalagem é pequena, mas um pouquinho só já é o suficiente. Custa R$ 37,90.

BB Creme

Mais um ítem da Wishlist e esse na verdade nem foi compra de agora, eu ganhei no amigo secreto do Natal. Mas eu quis aproveitar para falar dele também.

Eu estava bem curiosa e empolgada com esse bb cream. Eu já tinha usado o da Dermage e estava usando o da L’Oréal quando ganhei esse. Infelizmente ele não foi o meu preferido.

Eu sempre espero, de um bb cream, uma uniformização do tom de pele, controle da oleosidade, proteção contra os raios solares e disfarce dos poros. Dessas minhas expectativas, apenas a proteção solar foi atendida. Achei ele alaranjado demais (a minha cor é a “clara”), então me senti mais manchada do que com a pele uniforme, ele não disfarça nem um pouco a aparência dos poros e apesar de ser oil free, eu o considerei oleoso. Além disso, apesar de vir os mesmos 30 ml da L’oreal, ele rende muito menos. O meu mesmo já está acabando, com 3 meses de uso, enquanto o meu da L’Oréal durou pelo menos 6 meses (e ainda tem um restinho). Se vocês quiserem, posso fazer um post comparando os dois. Não comprarei de novo. Li que o CC Creme da marca tem um controle de oleosidade melhor, mas não fiquei empolgada para usar.

Vem com 30 ml e custa R$39,90.

Batom Vermelhete

Eu amo os batons da Quem disse, Berenice?. Tenho vários (inclusive quero fazer um post mostrando todos eles para vocês, porque em Abril a marca sempre faz uma promoção no Dia do Beijo, para trocarmos um batom velho, de qualquer marca, por um novinho lá na loja) e como esse estava com desconto de 50% eu não resisti.

É um vermelho vibrante mas fechado, como eu gosto, super lindo. É cremoso, então a durabilidade é média. Dá para ficar umas duas horas com ele nos lábios, mas se beber algo ou principalmente comer, terá que retocar.

Geralmente custa R$ 25,90, mas estava por R$12,95 (não sei até quando o desconto vai durar, no site o preço está normal).

Curvex

Faz um tempão que eu estou querendo um curvex para chamar de meu. Tive alguns na adolecência, mas acabei perdendo e depois nunca mais comprei outro. Esse eu peguei no caixa, quando já estava fechando a compra. Não vou poder comparar com nenhum outro, nem lembro quais foram as marcas que usei quando era mais nova. Mas posso dizer que esse é bem confortável de usar. Ele curva bem os cílios (os meus já são naturalmente curvados, mas estou adorando realçar) e eu não consegui me machucar nenhuma vez! haha

Para quem não tem os cílios curvados com certeza é legal ter um courvex. E eu li que o resultado se prolonga ao usar máscara à prova d’água.

Custa R$25,90.


Todos os produtos que mostrei estão a venda nas lojas físicas e na loja virtual da marca Quem disse, Berenice?

Gostaram do post? Acho que vou começar a falar um pouco mais sobre os produtos de maquiagem e cosmético que eu uso, por aqui. O que vocês acham? Eu não sou nenhuma super expert que tem mil marcas diferentes de cada coisa para testar e comparar, mas estou sempre usando algo novo. Me contem nos comentários se vocês quiserem ver mais coisas de beleza por aqui! :D

Página 1 de 3112345... 31Próximo