DIY: Instabox – caixa revestida com fotos

Em 21.02.2017   Arquivado em DIY

Em 2015 surgiu um projeto lindo na internet: o Blog Coisas de Blogueiras, que foi a união e mais de 30 blogueiras em um único blog, cheio de amor, personalidade, estilo e mais amor.

Tive a honra de participar do blog como colaboradora e também na administração, como revisora de posts, junto com a minha querida amiga Babi.

Infelizmente o Coisas de Blogueiras não está mais no ar. Muitas coisas aconteceram e acabamos decidindo dar fim ao projeto. Morro de saudades dele! :'(

Decidi trazer alguns posts que escrevi para lá aqui pro Subexplicado e espero que vocês gostem!

O de hoje é o DIY de uma Instabox (batizada por moi, hauahuah), que nada mais é do que uma caixa revestida com fotos do Instagram, minha rede social favorita. Mas você também pode fazer com qualquer outra foto que quiser.

Material utilizado:

  • 1 caixa de MDF
  • lixa para madeira
  • tinta PVA
  • rolo de espuma para pintura
  • pincel chato
  • cola branca
  • fotos editadas com as imagens desejadas
  • estilete
  • régua
  • um recipiente para colocar a tinta e a cola

Editando as imagens

Como sei que nem todo mundo tem editor de fotos instalado ou sabe como utilizar um, fiz um passo a passo para demonstrar como editar as fotos para esse propósito no PAINT, um editor básico que todo mundo já abriu alguma vez na vida e tem no computador. Se você já sabe como editar as suas fotos, pode pular essa parte.

  1. Se você estiver usando fotos do seu Instagram, salve as fotos que deseja no seu computador. Um ótimo local para fazer isso é o Websta;
  2. Abra o PAINT, clique em redimensionar, escolha “Pixels”, desmarque a opção “Manter taxa de proporção” e coloque as medidas:  1920 na horizontal e 1280 na vertical  e então clique em “OK” (isso porque as imagens salvas do Websta tem 680×680 px e vamos colocar duas na vertical e três na horizontal);
  3. Clique em “Exibir” e então em “Reduzir” para tirar o zoom da imagem e conseguir visualizá-la por inteiro – dessa forma fica bem mais fácil para trabalhar;
  4. Clique em “Início” e em “Colar” e selecione a opção “Colar de”;
  5. Abrirá uma janela onde você deve selecionar o arquivo desejado e clicar em “Abrir”;
  6. O primeiro arquivo será posicionado exatamente onde ele deve ficar, então apenas clique fora dele para fixá-lo.
  7. Clique novamente em “Colar” e selecione a opção “Colar de” e então selecione o segundo arquivo. Ele será posicionado em cima do arquivo anterior, então arraste-o para o local onde deverá ficar. Repita esse processo até posicionar as 6 imagens;
  8. No final você deverá ter imagem como esta, com todos os aquivos posicionados. Então salve-a e mande revelar ou imprima.

Fazendo a Caixa

  • Vamos começar pintando a caixa, então separe a caixa (obviamente), a lixa para madeira (usei a nº 280), tinta PVA (usei preta fosca), o rolinho para pintura, o pincel chato (usei o nº 20) e o recipiente para despejar a tinta (a.k.a. pires hauahuah);
  • Não é necessário lixar a caixa toda, pois o MDF é bem liso. Então lixe apenas as extremidades e junções, que é onde ficam algumas rebarbas;
  • Comece a pintura de toda a superfície do MDF uniformemente utilizando o rolo para pintura (eu usei a a tinta pura, não diluí em água);

  • A parte interna da caixa e tampa também devem ser pintadas;
  • Utilize o pincel para pintar as partes que não são cobertas pelo rolo de espuma;
  • Após a secagem, dê outra demão de tinta (no total, utilizei 3 camadas de tinta para ficar bem coberto);

  • Enquanto a caixa seca, pegue as fotos reveladas, o estilete, a régua e alguma superfície de apoio que possa ser arranhada pelo estilete (usei um retângulo de papel paraná);
  • posicione a foto em cima da superfície e com o auxílio da régua, recorte-a com o estilete;
  • no final, você terá vários quadradinhos que teoricamente terão 5×5 cm, se você revelar as fotos no tamanho padrão de 10×15 cm. Eu disse teoricamente, pois as minhas fotos vieram com tamanho de 10,3×15,4 cm e aí teve um recorte automático da impressora que utilizaram, portanto as fotos do meio ficaram alguns milímetros maior do que as das extremidades. Eu usei desse jeito mesmo, mas você pode fazer um gabarito de 5×5 cm, posicioná-lo sobre a foto e recortá-la com o estilete, assim todas ficarão com o mesmo tamanho, sem variação;

  • Pegue a caixa que já estará seca (como não diluí a tinta, a secagem foi extremamente rápida) e disponha as fotos da maneira que preferir;
  • Comece a colagem, espalhando cola branca em uma quantidade suficiente por toda a superfície da foto;
  • Posicione-a com cuidado na caixa para a colagem não ficar torta;

  • Repita a operação por todas as laterais da caixa. Como usei uma caixa com 25×25 cm, usei 20 fotos no total para estampar as laterais.
  • Pegue a tampa da caixa e disponha as fotos de acordo com a sua preferência (para cobrir toda a tampa foram mais 25 fotos);
  • Inicie a colagem sem retirar as fotos da posição onde as colocou, para evitar que fiquem tortas;

  • Comecei a colagem pela fileira da esquerda;
  • Colei as duas fileiras da esquerda;
  • Então comecei a colar as fotos da direita. A fileira do meio foi a última que colei.

Para finalizar você pode (na verdade deve) cobrir toda a caixa com verniz spray. Infelizmente eu não encontrei verniz spray fosco para a minha caixa, então ela ainda está desprotegida, mas eu continuo na busca! Apesar de opcional (a caixa estará pronta mesmo sem o verniz), essa cobertura é muito importante, pois é ela que vai proteger as fotos para que não desbotem ou manchem, e também vai dar uma fixação extra à elas. Não precisa ser nenhum verniz específico para fotos, você pode comprar um multiuso (como esse).

Custos do material

  • R$6,00 – caixa de MDF 25×25 cm
  • R$4,75 – tinta PVA preta fosca 100ml
  • R$2,00 – lixa para madeira nº280
  • R$5,60 – 8 fotos 10×15 cm
  • R$2,40 – tubo de cola 90g

A lista de materiais acima soma R$20,75. Não levei em conta o pincel nem o rolo de espuma, mas eles custam respectivamente R$2,15 e R$2,80, mas leve em consideração que essas ferramentas você vai usar muitas outras vezes. Também não contabilizei o verniz spray (pois nem tive oportunidade de comprar o meu), mas pesquisei na internet e encontrei entre R$13,00 e R$20,00 – esse também é um material que será utilizado várias outras vezes.

Achei o custo justo, pois já vi várias caixas de papelão em dimensões aproximadas sendo vendidas por preços até maiores em lojas de decoração.

Dá até para incorporá-la na decoração, com outros elementos. Coloquei livros e essa luminária (que eu ensinei a fazer aqui), em uma mesa de canto, ficou um charme.

Espero que tenham gostado e me perdoem pelo post ter ficado um pouquinho grande, mas fiz o possível para deixá-lo bem completo e ilustrativo, para que qualquer pessoa possa fazer a caixa, mesmo que nunca tenha feito nenhum artesanato na vida.

Quem fizer a Instabox posta no Instagram com a hashtag #subexplicado que eu vou adorar ver!

Se tiver alguma dúvida, pode deixar nos comentários que eu respondo. Aproveita pra me contar o que achou. 😀

DIY: Quadro-varal de polaroides

Em 09.01.2017   Arquivado em DIY

Hoje tem post de DIY (Faça você mesmo) e ele tá super fácil e lindo! Vamos fazer um quadro-varal de fotos (Eu amo fazer coisas com fotos!). Também vamos fazer molduras no estilo polaroid pra colocar nas fotos e deixar tudo ainda mais fofo.

É um quadrinho super fofo e você faz do tamanho que preferir, para caber quantas fotos você achar melhor. Também dá pra usar como porta-recados ou lembretes. É muito fácil e fica super fofo na decoração. Vamos começar?

Material utilizado:

  • Papelão
  • Tecido de algodão com a estampa que preferir (usei duas que combinam entre si)
  • Cola branca
  • Tesoura e estilete
  • Fio de algodão encerado
  • Cola quente
  • Lápis
  • Régua
  • Rolo de espuma para pintura

Material para as polaroides:

  • Papel branco (usei colorplus metalizado)
  • Fotos
  • Fita dupla-face
  • Lápis
  • Régua
  • Tesoura e estilete

Montando o quadro:

  • Separe todo o material que vai utilizar;
  • Comece cortando o papelão, você pode escolher o melhor tamanho para o seu quadro (de acordo com o espaço que tem disponível para posicioná-lo e o resultado que espera), as medidas que usei foram:
    – Base de 35 cm x 20 cm
    – Moldura de 32 x 17 cm
    – Moldura (parte interna) 28 cm x 13 cm
    Eu cortei duas partes iguais para a base e três para a moldura, para ficar com a espessura que desejo;
  • Corte a base e separe, depois corte a moldura. Então, posicione um recorte com o tamanho da parte interna da moldura e marque com um lápis;

  • Eu sobrepus as três partes da moldura e as prendi com um grampo de papel. Com o auxílio de uma régua, passe o estilete por cima da marcação do lápis;
  • Depois continuei passando o estilete para cortar as três partes que estavam sobrepostas;
  • Por fim cortei todas as partes e a moldura ficou vazada;

  • Colei as duas partes da base com cola quente para ficar bem fixado;
  • Então colei as três partes da moldura;
  • No fim ficaram apenas duas peças: a base e a moldura;

  • Pintei a superfície das duas peças com base branca para artesanato, pois o tecido tem uma leve transparência e o fundo branco  dá um acabamento mais bonito. Também pode ser colada uma folha de sulfite ou até cartolina.
  • Depois que a base branca secou, espalhei cola também com o rolinho e colei o tecido que eu já tinha cortado;
  • Com o tecido colado na superfície, cortei as extremidades na diagonal;

  • Por fim, todas as pontas estavam cortadas na diagonal;
  • passei cola no papelão com o rolinho;
  • Então colei o tecido. Eu repeti isso com todas as abas;

  • Para dar acabamento atrás, peguei uma capa de revista e também pintei um dos lados com a base branca;
  • Então eu a encapei da mesma forma que encapei o papelão;
  • Colei atrás da base, para secar no lugar, prendi as pontas com fita crepe – que tirei depois que tudo secou;

  • Para revestir a moldura eu passei cola por toda a superfície e colei o tecido por cima;
  • Passei cola no verso e colei as pontas do tecido, que também foram cortadas na diagonal;
  • Por fim ela ficou toda revestida;

  • Para abrir o expaço vazado, fiz um corte com o estilete – não muito próximo do papel, caso contrário não conseguiria encapar;
  • Continuei o corte do estilete com uma tesoura;
  • Então a moldura ficou vazada novamente;

  • Cortei as extremidades na diagonal;
  • Colei todas as pontas;
  • E a moldura ficou pronta;

  • Para fazer o varal, usei um fio encerado e amarrei dos dois lados da moldura, na parte de cima;
  • Então colei a moldura à base com cola quente;
  • Quadro prontinho!

Fazendo as polaroides:

  • Pegue o papel branco (pode ser papel cartão, cartolina, colorplus… o que você tiver!) e faça um retângulo de 9 cm x 10 cm com uma régua;
  • Ainda com a régua, corte o papel com um estilete (se preferir, pode usar a tesoura);
  • Para cada foto serão necessários dois cortes com esse tamanho;

  • Corte um quadrado de 7 cm x 7 cm para usar como molde, então posicione-o em cima do retângulo, tomando cuidado para deixar uma margem maior na parte de baixo do retângulo;
  • Com o estilete, corte a parte marcada e então ficará uma moldura;
  • Escolha as fotos que vai usar (use a moldura para ver se vão ficar boas);

  • Com auxílio do retângulo inteiro, marque a foto a lápis;
  • Corte a foto um pouco menor do que a marcação (para não acabar sobrando nas laterais);
  • Cole a foto cortada à parte de trás (o retângulo inteiro);

  • Então cole a fita dupla face na moldura;
  • É importante usar fita dupla face pois a cola pode umedecer o papel e o acabamento não ficará bom;
  • Cole a moldura na foto, com cuidado para ficar alinhado. E a polaroid ficou pronta! 😀

Polaroides prontas.

Quadrinho pronto.


É um quadro bem versátil e dá pra inventar muitas coisas a partir dessa ideia. Você pode fazer colagens, pode pendurar fotos que te inspiram, tíquetes de viagem como lembrança, pode fazer um quadro bem grande e usar como mural… A criatividade que manda e as possibilidades não tem fim!

Quem fizer o quadrinho, posta uma foto no instagram com a hashtag #subexplicado que eu vou adorar ver!

Espero muito que tenham gostado. Qualquer dúvida pode deixar nos comentários pois vou responder a todos!

Festa da Cerejeira de Campos do Jordão (beda #16)

Em 16.08.2015   Arquivado em Lugares

IMG_9231
No começo do mês eu fui à Festa da Cerejeira no Parque do Carmo, em São Paulo. Ontem eu fui à festa de Campos do Jordão e vim mostrar tudo e contar pra vocês a minha opinião de especialista em Festas de Cerejeiras! hauhauah

IMG_9138

A festa é organizada pela Beneficência Nipo Brasileira de São Paulo e é em prol do Recanto de Repouso Sakura Home – onde vivem vários japonesinhos idosos – por isso é cobrada uma entrada no valor de R$10,00 por pessoa. Idosos e estudantes pagam meia entrada. Como eu estava sem a minha carteirinha paguei inteira mesmo.

IMG_9147

Comparada à Festa do Parque do Carmo, a de Campos estava vazia. Claro que isso se deve a vários fatores, como o fato de acontecer por vários fins de semana enquanto a de SP acontece apenas um; cobrar entrada enquanto em SP a entrada é livre; e principalmente ser na pequena Campos do Jordão e não na gigantesca cidade de São Paulo, com mais de 11 milhões de habitantes.

IMG_9171

Com relação ao local, eu achei os dois parques muito bonitos. Mas em Campos do Jordão existe sim um cuidado maior, principalmente por ser uma área privada e não pública. Mas eu senti falta do clima de contemplação às flores que teve em São Paulo. Em Campos não tinha ninguém estendendo canga debaixo das árvores para comer e passar o tempo. Havia uma praça de alimentação então não tinha ninguém comendo no bosque. Adorei comer embaixo da árvore lá em SP e senti falta disso dessa vez – porque o meu grupo de amigos super urbanos preferiu se sentar à mesa! hauaauha

Por falar em comida, gostei mais da que comi em SP. Comi hot rolls nas duas festas (eu amo!!!) e o que comi ontem não estava tão bom – apesar de ter conseguido comprá-lo e tê-lo em mãos em 5 minutos, enquanto em SP levei quase uma hora. Já o Yakisoba que o Arthur comeu ele adorou e foi só elogios. Os preços são muito parecidos, paguei R$15,00 no hot rolls (mas eram menores do que em SP, então achei caro) e o Arthur R$20,00 no Yakisoba, que era enorme. Também haviam barraquinhas com comida “normal” como pastel, crepe suíço, morango com chocolate… Tem comida pra todos os gostos.

Uma das coisas que tem em Campos que precisava demais ter em São Paulo: conscientização. Por lá haviam várias plaquinhas como essa, pra evitar maus tratos com essas arvorezinhas tão frágeis. Claro que não são todas as pessoas que respeitam – infelizmente – mas o fato de ter a placa com certeza ajuda. É sempre bom ser lembrado de ter educação e bom senso.

As florzinhas já estavam ficando murchinhas, mas isso porque faz tempo que as árvores floriram. Tenho certeza que no começo do mês tinha mais sakuras nos galhos. Inclusive ano que vem pretendo ir logo no começo da festa.

Como sempre, fiz várias fotos e foi até difícil não selecionar todas pra colocar aqui!

IMG_9173

IMG_9172


Eu adorei essa foto, pena que o display da câmera acabou refletindo.


Sou apaixonada por essas lanternas japonesas. Essa com sakuras é maravilhosa! *-*

Lá também havia um espaço com uma feirinha de artesanato e artigos japoneses (tinha até CDs de artistas japas). Adorei e claro que trouxe uma lembrancinha da festa porque eu amo artesanato e achei o trabalho muito lindo e delicado.


Fui às duas festas e não consegui preferir nenhuma delas. Pretendo voltar às duas quantas vezes for possível, ao longo da minha vida. Cada uma tem um clima diferente. Eu adoro a cultura japonesa e as comidas (especialmente as fritas, porque eu sou dessas! hauahuah), mas principalmente eu amo essas árvores.

Pra ver fotos lindas e saber a opinião de alguém que é muito mais especialista do que eu nessa festa de Campos do Jordão, você pode ver as fotos e o post que a Tamara fez.

Infelizmente esse foi o último fim de semana da festa. Agora só ano que vem, mas já vale a pena ir se programando, se quiser pode seguir a página do evento no Facebook pra ficar por dentro das datas.

Essas fotos foram “patrocinadas” pelo meu amigo Rafael, que sempre me deixa dominar a câmera dele quando estou por perto. A câmera é uma Canon T3i e a lente que usei foi a do kit, a 18-55 mm. Obrigada, Rafa!

Festa da Cerejeira no Parque do Carmo – SP (beda #4)

Em 04.08.2015   Arquivado em Fotografia, Lugares


No último fim de semana rolou a Festa da Cerejeira lá no Parque do Carmo em SP capital. Eu fui e vim mostrar tudo pra vocês. Se preparem para um post predominantemente cor-de-sakura-rosa e lindo!

Fazia tempo que eu queria ir nessa festa, porque o Parque do Carmo é o local onde há o maior bosque de cerejeiras do mundo (fora do Japão, claro) e eu estava louca pra ver todas aquelas árvores cheias de florzinhas todas juntas. Aproveitamos o fim de semana para visitar um casal de grandes amigos e fomos todos juntos à Festa. Claro que eu adorei e vou contar porque.


O parque é longe. Bem longe – quer dizer, depende de onde você está, né? Estávamos no Bom Retiro, na região Central da cidade e levamos umas boas duas horas para chegar até lá. Chegando, ainda pegamos uma longa fila para conseguir entrar no estacionamento e então ficamos mais algum tempo no carro procurando vaga.

Estava lotado e acho que a foto acima demonstra bem isso. Tenho algumas outras que mostram um pouco mais de caos nas barracas de comida, mas é desnecessário deixar o post feio com a realidade, né? hauahuah

Já te deixo avisado para o próximo ano: vai estar lotado, não tenha dúvidas.


Pessoas sentadas embaixo das árvores para contemplar a beleza das cerejeiras floridas.

Todos os anos a Federação Sakura e Ipê do Brasil organiza essa festa e esta foi a 37ª edição. A duração é de um fim de semana – começa na sexta e acaba no domingo. Fomos no sábado e estava um dia de inverno quente e ensolarado.

As flores de cerejeira são muito apreciadas no Japão – onde são chamadas de Sakuras – e por isso trata-se de uma festa japonesa. Há barracas com comidas típicas da culinária japonesa (comemos hot holls e tempurá de sorvete – apesar da fila imensa e maior caos dentro da barraca, estavam deliciosos e valeram muito a pena), apresentações culturais, vendas de mudas de cerejeiras e outras plantas, muita gente querendo praticar o hanami (ato de se sentar embaixo de uma cerejeira e contemplar sua beleza), gente querendo tirar muita foto e outras pessoas (EU) querendo fazer todas as coisas junto!

Eu fiquei hipnotizada com a beleza das lindas florzinhas e fiz meio milhão de fotos!

O que não pode faltar na sua bolsa para visitar o parque nessa festa: uma esteira ou canga para se sentar sob as flores, comida ou disposição para comprar comida típica, quentinha e deliciosa nas barracas e muito bom humor para não ficar estressado com a multidão e não estragar o seu dia nem o dia de ninguém.

Sério, vi muita gente se estressando à toa e também li comentários negativos pela internet de gente que foi e achou mal organizado. Não é má organização, é que muita gente quer visitar e comer. Não tem como ser instantâneo. Mas vale lembrar que é um passeio e o mais importante é aproveitá-lo e se divertir!


Muitas pessoas escrevem desejos em um papel e penduram na árvore, achei super inspirador! A Tati – que estava conosco – falou que ano passado estavam pendurando origamis, infelizmente não encontrei nenhum dessa vez.


Passamos a tarde toda por lá. Comemos embaixo de uma árvore, contemplamos, conversamos, fotografamos e passamos ótimos momentos. Com certeza será um dia que vou lembrar por vários anos.

Como eu já falei, a festa foi nesse último fim de semana, mas caso você tenha ficado com muita vontade de ir e puder ir até Campos do Jordão, também há um bosque de cerejeiras lá e estará tendo festas todos os fins de semana até o dia 16 de Agosto. Se quiser mais informações, pode acessar a página do evento no Facebook

E caso queira se programar para o próximo ano, tem mais informações sobre a festa do Parque do Carmo aqui.

Se gostou e quer ver mais fotos, clica aqui e dá uma olhada nesse post da Clay que está cheio de fotos maravilhosas!

Espero que tenham gostado das fotos e sentido toda a energia positiva que tinha por lá aí do outro lado da tela. Se já foi ou quer ir a uma dessas festas, me conta nos comentários! 😀

Passeio em Campos do Jordão

Em 11.07.2015   Arquivado em Fotografia, Lugares, Melman

Aproveitamos um dos dias do feriado que teve no Estado de São Paulo (9 de Julho) para levar o Melman pra passear em Campos do Jordão. Não levamos em consideração que era um feriado prolongado e encontramos uma cidade caoticamente lotada. Mesmo assim conseguimos aproveitar e fiz algumas fotinhas. Vim compartilhar com vocês. 🙂

Claro que o Melman foi fotografado – não tanto quanto eu gostaria, já foi bem difícil conseguir as fotos que fiz, ele não é chegado em parar quieto – ainda mais que ele tava com blusinha nova. Fez o maior sucesso!

Campos é uma cidade extremamente florida. Inclusive no inverno. Essa foto é de um restaurante que tem lá. Adoro fotorafá-lo, porque não tem como sair feio. Preparem-se para ver muitas flores nesse post. 😛


Mais um pouco de beleza imensurável, pra vocês. 😛

Fiquei extremamente feliz por encontrar uma cerejeira florida. Sou apaixonada por essas arvorezinhas cor-de-rosa e elas são sempre assuntos perfeitos pra fotos. Fiz umas 30, mas me contive na escolha pras fotos do post. hauhauha


Achei essa combinação guarda sol branco + cerejeira florida a coisa mais linda da face da Terra!


Perfeição! *-*

É possível que lavandas sejam as minhas flores preferidas, no mundo. Fico hipnotizada sempre que vejo (lembram da minha foto da abelhinha nas lavandas, também lá em Campos? É uma das minhas preferidas, virou até capa da fanpage do blog). Fiz muuuitas fotos delas, mais ainda do que das sakuras. Mesmo já secando estão lindas e são super fotogênicas. Lá na entrada do teleférico tem um laguinho com os pedalinhos de cisne, adorei o resultado da foto.

E claro que tem toda a nossa beleza de família mais maravilhosa pra compartilhar aqui também. A primeira foto mostra bem toda a vontade do Melman de sair em fotos. Na segunda estamos justamente rindo, pois tiramos muitas fotos que ele virou bem na hora do clique!

Moro a mais ou menos uma hora lá de Campos, a cidade é linda e muito organizada. No inverno é sempre point, pois lá é bem alto e faz mais frio do que na maior parte das outras cidades. Se você ainda não conhece, sugiro que coloque na lista de lugares para conhecer, com certeza não vai se arrepender – e lá é lindo o ano todo, viu? Mas tem bem mais coisas pra fazer no inverno. Tem alguns outros posts que fiz em outros passeios por lá, se quiser ver mais fotos, é só clicar aqui. E também tem esse post mais específico, que falei sobre algumas das atrações de lá.

Espero que tenham gostado das fotos. Se conhece ou quer conhecer Campos, conta pra mim nos comentários! 🙂